segunda-feira, 15 de julho de 2013

Paneleirices De Paneleiros

Este post é uma amálgama de assuntos que tratei em outros posts mas acho que faz todo o sentido voltar a repetir-me depois da pseudo conversa que tive com um moço hoje à tarde.

Alguns paneleiros portugueses [peço desculpa a quem acha o termo ofensivo, eu encaro-o como algo normal] são muito complicados. E quando digo "complicados", entenda-se "cheios de cagufe". Percebo e apoio a opinião de que em Portugal ainda existem muitos problemas em relação à homossexualidade mas o que eu não percebo é a necessidade de as pessoas se fazerem de queques em determinados sítios. Desculpem, se uma pessoa cria um perfil num site de encontros gay por que é que se põe cheia de reservas quanto aos seus propósitos? Por vergonha? Quando uma pessoa cria conta em qualquer sítio que seja é por que pretende usufruir do mesmo, seja de que maneira for.  Não falo de encontros de sexo imediato, falo de coisas tão banais como ter uma conversa, o que, diga-se já de passagem, é quase impossível por que para muitos paneleiros a PIDE parece ser ainda uma realidade e é preciso tirar-lhes a informação quase à base da pancada. Porquê? Uma coisa é ser-se reservado, outra coisa é as pessoas fazerem-se de difíceis só por que têm medo que quem está do outro lado fique a saber demais sobre as suas vidas. Qual é o medo? Que espalhem essa informação aos quatro ventos? Eu tenho informações sobre a minha vida que não partilho com ninguém assim como toda a gente. Mas todo o resto, por favor, alguém ganha alguma coisa por se fechar em copas sobre a sua vida? Como é que uma pessoa pode sentir desejo de conhecer quem quer que seja quando é quase necessário implorar para que digam qualquer coisa? Eu não consigo conviver assim. 
Também não consigo conviver com gente mal resolvida. Ou é ou não é. 

A expressão do sentimento de que não se precisa de ninguém, que se está em determinados sítios a manter contacto com as pessoas que lá têm conta por mero acaso do destino. Como agora estou confinado ao sítio onde vivo não posso aceitar convites que de outra forma teria aceite, mas não seria essa um dos objectivos quando se parte na busca de uma segunda pessoa? De iniciar um posterior contacto físico? Transmite-se uma ideia de que ali ninguém precisa de ninguém e mesmo assim estabelecem contacto com outras pessoas. Para o quê, não sei.

Curiosidade/bissexualidade, isso para mim são tretas. Uma pessoa quando cria contas em sites onde só existem homens é por que gosta de homens.Não há volta a dar. E já agora, é necessário as pessoas renderem-se às evidências de que nesse tipo de sítios ninguém contacta ninguém por causa de ter um texto introdutório muito bem escrito, fazem-no mediante aquilo que vêem. "Ah não coloco fotos por que não quero que as outras pessoas me definam" [tirada do tal moço com quem falei hoje]: desculpem, esta foi a desculpa mais esfarrapada que li/ouvi nos últimos tempos e já ouvi coisas que fariam as pedras da calçada chorar de tanto rir]. É este medo de se mostrarem, este receio de que qualquer pessoa pode deparar-se com uma foto sua nesses sítios que me incomoda. É quase como aceitar um trabalho para trabalhar pela internet em casa e não ter internet. Complemente sem nexo. Não estou com isto a querer dizer que apoio a metodologia desses sítios mas se a mesma é assim as pessoas apenas têm de se submeter a ela. 

As pessoas que lêem aquilo que aqui escrevo provavelmente pensam que tenho uma língua de metro no que toca a conhecer pessoas mas a verdade é que sou muito reservado. No entanto sei a diferença entre ser reservado e ser mal encarado. Do outro lado está alguém que eu pretendo cativar e uma boca fechada aliada a uma mente igualmente fechada não leva ninguém a lado algum. Desculpem eu não consigo conviver com alguém que está a conversar comigo sempre com receio de que eu seja algum seu conhecido, que eu vá dizer a toda a gente aquilo que sei, como se aquilo que se diz nesse tipo de sítios fosse alguma informação top secret.

Ao longo de 23 anos talvez me tenha desiludido a sério em termos afectivos  com uma ou duas pessoas, mas em termos sociais desiludo-me um pouco mais de cada vez que me é dada mais uma prova de que em Portugal as pessoas têm medo de se dar a conhecer, medo de viver, medo de que aquilo que digam seja usado contra elas num futuro não muito distante. Eu não consigo viver assim, nunca consegui e não é agora que vou começar só para me integrar nessa grande bola de clichés cagados de medo que é a comunidade homossexual.

E pronto, acho que deitei tudo cá para fora, estava a precisar. Há pessoas que têm o condão de me fazer recordar o porquê de não suportar certas e determinadas atitudes que se têm nesta vida. As minhas desculpas por maçar quem leu tudo e achou que perdeu o seu tempo.

5 comentários:

  1. Sempre te achei uma pessoa reservada e concordo com tudo o que aqui escreveste! As pessoas não deviam de ter medo de assumir e SIM se se registam em algo é porque se interessam!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu acho que quem lê o que aqui escrevo pode ficar com a ideia contrária mas a verdade é mesmo esta.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. já sabes que eu sofro de parvoíce aguda xD

      Eliminar