sábado, 31 de dezembro de 2011

Balanço Cd's 2011

Coisas boas:


Adele - 21
Brandon Heath - Leaving Eden
Dead By April - Stronger
Ekotren - The Dead Of Night
Infinity Overture - The Infinite Overture Pt. 1
Sirenia - The Enigma Of Life
Substaat - Substaat
Theatres Des Vampires - Moonlight Waltz
Third Realm - Romantic Death
Ava Inferi - Onyx
In Extremo - Sterneneisen
Jessie J - Who You Are
Josh Wilson - See You
Korpiklaani - Ukon Wacka
Serenity - Death And Legacy
The Jane Dear Girls - The Jane Dear Girls
Thompson Square - Thompson Square
Turisas - Stand Up And Fight
Adam Lambert - Glam Nation Live
Avril Lavigne - Goodbye Lullaby
Britney Spears - Femme Fatale
Factory Of Dreams - Melotronical
The Letter Black - Hanging On By A Thread Sessions, Vol. 1 [Ep]
Within Temptation - The Unforgiving
Krypteria - All Beauty Must Die
Leaves'Eyes - Melusine [Ep]
Leaves'Eyes - Meredead
Lemonade Mouth Ost
Midnattsol - The Metamorphosis Melody
Samael - Lux Mundi
Alestorm - Back Through Time
Arch Enemy - Khaos Legions
Camelot Ost
Celtic Woman - Believe
Christina Perri - Lovestrong
Hell - Human Remains
Novembers'Doom - Aphotic
Tyr - The Lay Of Thrym
Christina Grimmie - Find Me
Selena Gomez & The Scene - When The Sun Goes Down
Take That - Progressed
Colbie Caillat - All Of You
HB - The Battle Of God
Kelly Rowland - Here I Am
Vanessa Carlton - Rabbits On The Run
Icon For Hire - Scripted
Lovers Electro - Impossible Dreams
Will Young - Echoes
Alexandra Stan - Saxobeats
Arven - Music Of Light
Crysalys - The Awakening Of Gaia
Dead By April - Incomparable
Demi Lovato - Unbroken
Lady Antebellum - Own The Night
Melanie C - The Sea
Nox Arcana - The Dark Tower
T0ri Amos - Night Of Hunters
Florence And The Machine - Ceremonials
Gregorian - Masters Of Chant Vol.VIII
HURTS - Happiness [Re-Release]
Joe Jonas - Fastlife
Katherine Jenkins - Daydream
Kelly Clarkson - Stronger
Kelly Clarkson - The Smoakstack Sessions [Ep]
Adele - Live At The Royal Albert Hall
Daughtry - Break The Spell
Il Divo - Wicked Game
Jessie J - Who You Are [Platinum Edition]
Nemesea - The Quiet Resistance
Nightwish - Imaginaerum
Pixie Lott - Young Foolish Happy
Sopor Aeternus & The Ensemble Of Shadows - Children Of The Corn
Taylor Swift - Speak Now World Tour Live
The Killers -Red Christmas [Ep]
Leona Lewis - Hurt [Ep]


Coisas más:


Battlelore - Doombound
Blutengel - Tranenherz
Deadlock - Bizarro World
Die Apokalyptischen Reiter - Moral & Wahnsinn
Elane - Arcane
Jennifer Lopez - Love?
The Road To Consciousness Project - Road To Consciousness
Visions Of Atlantis - Delta
Ke$ha - I Am The Dance Commander + I Command You To Dance The Remix Album
Imperia - Secret Passion
Nicole Scherzinger - Killer Love
Amaranthe - Amaranthe
Stream Of Passion - Darker Days
Sons Of Seasons - Magnisphyricon
Ulver - War Of The Roses
Lady GaGa - Born This Way
Draconian - A Rose For The Apocalypse
Noctura - Surrender the Sun
Pain - You Only Live Twice
Angelspit - Hello, My Name Is
Britney Spears - B In The Mix The Remixes Vol. 2
Evanescence - Evanescence
Cassandra Syndrome - Satire X
Corvus Corax - Sverker
Rihanna - Talk That Talk
Silent Opera - Immortal Beauty
Korn - The Path Of Totallity
Shakira - Live From Paris
Tarja Turunen & Harus - In Concert Live At Sibelius Hall



Álbum do ano: Curiosamente os álbuns que mais me marcaram este ano foram lançados o ano passado, "Happiness" dos Hurts e "Flamingo" do Brandon Flowers. Lançados em 2011 tenho de destacar "Lux Mundi" dos Samael, "All Beauty Must Die" dos Krypteria, "Meredead" dos Leaves' Eyes, "Imaginaerum" dos Nightwish, "21" da Adele, "Femme Fatale" da Britney Spears, "The Sea" da Melanie C, "Echoes" do Will Young, "Wicked Game" dos Il Divo entre outros... 

Revelação do ano: Crysalys, sem dúvida!

Pior álbum do ano: das bandas que realmente sigo a maior desilusão foi mesmo "Darker Days" dos Stream Of Passion e talvez "Bizarro World" dos Deadlock.


Blá blá blá que se lixe o ano novo. Have a little patience....

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

A Sério...


E assim eram muitas das minhas conversas.

A Ver:



Quando li "O Diário de um Mago" de Paulo Coelho uma das passagens que mais me assustou foi a do exercício do enterrado vivo. Este filme com Ryan Reynolds conseguiu lembrar-me esse medo. É um filme horrível na medida em que todo ele se passa dentro da caixa onde ele foi enterrado e quando digo TODO digo mesmo TODO, não há imagens do exterior. Terror psicológico no seu melhor.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

A Ver:



Sabem aqueles filmes que de tão estapafúrdios conseguem ser brilhantes? O realizador fez também "Cabine Telefónica" em que o Collin Farrell passava o filme todo dentro de uma cabine telefónica. Sei que é estúpido mas sempre tive uma panca por esse filme (e pelo Collin Farrell também, confesso). A sério vejam, para quem gosta de jogos psciológicos é diferente dos demais.

Jessie J - Domino [Video]

Gabrielle - Out Of Reach [Video]


Hoje lembrei-me desta música e de como ela me recorda o meu 5ºano... 
Depois lembrei-me da letra e achei uma coincidência muito grande:


"Out of reach,
So far
You never gave your heart
In my reach, I can see
There's a life out there
For me"

Natal PT.2

Sabem aqueles filmes muito maus que nunca na vida mereceriam uma sequela e mesmo assim fazem na mesma? Sabem o meu Natal? Pois bem, parece que vai ter sequela no ano novo, mas desta vez na minha casa.


Cheryl Cole - Promise This [Video]

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Engraçado Quando:

Pensámos que já não conseguimos viver sem aquela pessoa, que a nossa vida não irá ser a mesma e damos por nós a viver a vida como se nada se tivesse passado.
Oh drama i love u.

Do Convite

É engraçado quando quero dar a entender que estou aberto a um convite desde que este  seja feito formalmente. E apenas quero a formalidade só para poder, formalmente declinar o convite.

Quem está do outro lado:
"Ele nunca iria aceitar de qualquer forma."

Eu:
"Só o facto de me ter convidado confirma que o interesse não é só meu."

Parece um meio muito infeliz de aumentar a auto estima, mas espero que apenas eu me tenha lembrado de o ver assim.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Diana Vickers - Sunlight [Audio]



After the day goes, 
And all the tears flow, 
When there is no-one, 
Nothing by your side. 

Where do the dreams go, 
When we're not sleeping, 
Is there a world outside, 
That's waiting just for us. 

I wanna wake up with the sunlight in my eyes, 
I wanna wake up with the sunlight in my eyes. 

When all the stars fall, 
Out of the night sky, 
Fall like an angel, 
Into these arms of mine. 

Give me a song to sing, 
And I'll give you everything, 
I'll give everything I know, 
I know. 

I wanna wake up with the sunlight in my eyes, 
I wanna wake up with the sunlight in my eyes, 
After the clouds have gone, 
When all the lights shine on, 
I wanna wake up with the sunlight in my eyes. 
With the sunlight. 

If someone's looking out for me, 
If someone's listening to me, 
If someone's looking. 

Give me a song to sing, 
And I'll give you everything, 
I'll give you everything I know, 
I know. 

I wanna wake up with the sunlight in my eyes, 
I wanna wake up with the sunlight in my eyes, 
Give me a song to sing, 
And I'll give you everything, 
I wanna wake up with the sunlight in my eyes, 
With the sunlight in my eyes.


B-Side do single "Once" a música foi escrita por Mark Owen dos Take That e usada na peça  "Little Voice" na qual Diana fez a sua estreia nos palcos. É daquelas músicas que estupidamente ignorei durante meses sem nenhuma razão aparente. 

De Volta A Casa [Finalmente]

E é mesmo. Aos anos que não passava véspera de Natal ou Natal fora de casa. E agora percebo o porquê, é bem pior... Sou uma pessoa violenta, acho que consegui uma vitória por não ter desatado à lapada às crianças todas. Aquilo era Wii de manhã à noite, mesmo com um espaço mínimo para jogar lá queriam eles ligar aquela porra. Digo eu: 

"Vão jogar com o quê? Só se for com os olhos."

"Ah tem aqui o volante jogámos sentados."

Graças a Deus que um dos país lá se impôs e desistiram da ideia. 
Na tarde de ontem, lá comecei a ver o filme "O Gato" não que nunca o tivesse visto mas para conseguir desanuviar, além do mais não conseguia levantar-me do sofá onde estava comodamente sentado. Ao intervalo lá foi um dos miuditos pegar no comando. Eu parecia que me tinham tirado uma rolha da boca após horas com ela enfiada. É que eu já sabia o que iria acontecer (que é o que acontece cá em casa também): iriam mudar de canal umas vinte vezes para depois acabarem a ver o Disney Channel, Sic K ou Canal Panda, é sempre assim. Depois, mais para o fim do filme eu já estava mais para lá do que para cá e lá disse que podiam mudar e, meu Deus, pareciam cães a um osso tal foi a sofreguidão com que se atiraram ao comando para, para não variar, jogarem Wii.
A meio da tarde apareceram com o filme do "Gato das Botas" e tomei isso como um bom presságio, iriam estar calados a comer pipocas e a ver o filme e também eu me iria distrair visto achar uma certa piada ao filme. O filme era tão interessante que adormeci a meio não sem antes ter desejado espetar com a cabeça de um dos miúdos contra a parede pois de dois em dois minutos punha a excelentíssima cabeça à frente da televisão para ir buscar pipocas ou marshmallows ou o crlho mais velho (sim, não coloquei os "a" propositadamente) e mesmo depois de ter chamado a atenção uma vez, duas, três, continuava, acabei sentado numa cadeira super dura na qual dormitei pois se continuasse acordado iria parecer as chaleiras quando o chá está pronto a ser servido.

E quanto à comida? Uma das minhas tias muito admirada por uma pessoa comer farrapo velho enquanto os filhos dela comiam carne (nem bacalhau comeram na noite de consoada). Não suporto falsos moralismos, sempre a queixar-se das esquizitices dos filhos e mesmo quando são visitas têm de ter a comidinha especial senão coitadinhos não comem... Quando eu era pequenino e perguntava à minha mãe o que era o jantar ela respondia-me:

"É o que vier para a mesa."

E resultou, existem obviamente coisas que não como como sardinha (não consigo, cuspo 90% da sardinha a pensar que engoli alguma espinha) ou lampreia (por não conseguir sequer olhar para o peixe) mas de resto como e calo.

E agora vocês dirão:

"Mas Logan eles são pequeninos, tens de compreender."

Ah lá mais a porra, as pessoas usam essa desculpa para tudo depois queixam-se de ter os filhos que têm quando são adolescentes gordos e balofos que só comem no Macdonalds e não tocam em peixe. É triste ter-se boca de rico e carteira de pobre. 

Resumindo, Natais em família só se me pagarem e mesmo assim será preciso negociar o montante pois não há dinheiro que pague a paciência que se perdeu nestes dois dias.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Depois De Abrir As Prendas

Devo ser das poucas pessoas que nunca sofreu com o trauma de receber meias pelo Natal, acho que a fase mais traumática era quando recebia camisas de flanela aos quadrados de uma tia minha, camisas essas que eram dadas praticamente novas pois eu fazia o excelentíssimo favor de nunca as vestir, aliás quando era pequeno dizia que roupa não era prenda.
Graças a Deus os meus pais descobriram há alguns anos que sou Mon Cherry addicted e desde então todos os anos me dão uma caixinha que vai para o lixo poucos dias depois completamente vazia, este ano decerto não será excepção.
Outra tia minha também me deu dois desodorizantes frisando que não mos deu por achar que eu cheiro mal. Eu compreendo-a, ás vezes as conversas também começam a cheirar mal e uma pessoa não vai para lá correr com um desodorizante na mão e começar a pulverizar os intervenientes da mesma. Chocolates, dinheiro etc e tal, mais um Natal, tenho pena de não ser pequenino às vezes, mas também com a crise que vai por cá acho que seria um pequenino desanimado.
Ando todo dorido, deve ser da idade, ou então da ferrugem.  Achei imensa piada a um tio meu dizer que tenho de começar a pegar no carro para ir às gajas, eu precisava era de um avião, falta-me é a licença de piloto...
A cada grito que ouvi esta noite a minha inteligência decresceu consideravelmente (se tal era humanamente possível) portanto o Logan que escreve este post é decerto um ser mais burro do que anteriormente. E estou a ouvir Someone Like You da Adele portanto estou num estado psicologicamente débil. 
Gostaria de dizer que apanhei a puta da bebedeira, seria muito à frente, mas não, bebi só champanhe, o meu objectivo de vida é apanhar a bebedeira a comer Mon Cherry.... 
E é isso, continuo a aceitar pares de meias, e já agora de roupa interior, pode até ter bonecos, alegra-me a vida.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Dos Filhos Dos Vizinhos

Eu vivo num meio pequeno e, num meio pequeno existem duas maneiras primitivas de se saberem as "notícias": pelos vizinhos, ou através das janelas. Tenho uma sala com uns vitrais de caixilho preto que ocupam grande parte da parede e que possibilitam ver sem se ser visto. Aos Domingos, o almoço é literalmente passado a ver o que o vizinho da frente está a fazer, quem entra, quem saí, por que entra, por que saí. E falar-se disso parece ser muito interessante (não sei, na maioria do tempo fico calado ou quando falo tento mudar o assunto para outro tema que não inclua nenhuma das pessoas que possam estar a dois minutos de caminho da sala de estar).  

Assusta-me a forma incrirminatória de falar dos problemas dos outros como se fossem males incuráveis incapazes de serem tratados pelos seus detentores e falados como se nunca pudessem acontecer dentro das paredes dos que estão sentados naquelas cadeiras, naquela mesa, a olhar pelos vidros encaixilhados a preto.

Há uns tempos souberam que o filho de uma senhora que há muito tempo vinha cá passar a ferro, se assumiu gay, emigrou para a Suiça e voltou pouco tempo depois com o namorado. A minha mãe, com um ar escandalizado/divertido disse que quando a mãe desse rapaz soube, saiu de casa e passou horas no meio da rua a gritar e que o pai, muito prático disse:

"Filho, o que tu tens é uma doença por isso a gente vai levar-te ao médico e vais tratar-te."

Vou dar tempo para se rirem, assim como eu me ri, por ouvir este tipo de comentários sobre homossexualidade em pleno século XXI. Os meus pais também se riram, não sei é a razão:

1) Riram por o filho do homem ser gay.
2) Riram por o pai dele ser ignorante.
3) Riram por que não imaginam que o mesmo possa acontecer com eles.

A última opção está a negrito propositadamente. Os filhos dos outros são os filhos dos outros e o que lhes acontece nunca acontecerá cá em casa com um filho deles. Mas tenho medo só de ver a reacção quando se trata dos filhos dos outros. Aprendi muito sobre o que dizer ou calar só por ver as reacções parentais sobre os filhos dos vizinhos. 

Por que como já afirmei noutro post, se as pessoas soubessem o que as suas palavras podem significar para quem as ouve, provavelmente não as profeririam. Somente o fazem por que são os filhos dos vizinhos.
Sempre os filhos dos vizinhos...

Post Emo De 22 De Dezembro


quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Um Resumo Antes Do Natal

Convém postar alguma coisa hoje, por que amanhã, dia 22 de Dezembro, é dia de post emo e hoje não me apetece mesmo falar de coisas tristes por que já estou pelos cabelos (acreditem, estou com uma trunfa que Deus me livre) com a atribuição de bolsas da Faculdade .
Parece que, ao fim de vários anos a passar o Natal em casa lá vou eu passar o Natal fora. A minha sábia mãe sempre defendeu que não há nada como a nossa casa para passar este tipo de datas, diz ela:

"à hora que quero como, à hora que quero deito-me, se me apetecer lavar a loiça lavo, se me apetecer não lavo."

Como eu compreendo a senhora minha mãe... Nunca gostei de estar a fazer sala, gosto de comer e sair da mesa, ficar ali a digerir a comida é apavorante. Eu sou alto, levanto-me e a comida vai logo para baixo, simple as fuck. Espero que tenham o bom senso de se irem embora antes das três da manhã, que é o limite a que proponho a minha paciência a aturar os berros das crianças. Ouvir o silêncio depois de várias horas de gritaria irá ser o melhor presente de Natal este ano.  

Adiante, irão estar umas três crianças no local o que irá ajudar-me a reavivar as razões que me levam a não querer ter filhos. Mal chegar lá irão começar a berrar por um motivo estúpido qualquer, depois alguém irá começar a chorar, a seguir irão fazer birra por não poderem fazer algo, enfim. Se não fosse dar demasiado nas vistas já tinha comprado uns tampões. Mas mesmo assim, obrigado, obrigado por me lembrarem a cada berro como eu não suporto crianças desde as mais pequenas às maiores (sim por que há crianças grandes tão ou mais chatas do que as pequeninas). 

Irei passar a noite toda a comer (oh drama de ganhar umas gramas) por que é o que eu faço quando a conversa não me interessa minimamente. Já na casa da minha madrinha é igual. Eu pego, sento-me e o que estiver ao meu alcance vai sendo comido pouco a pouco. Alguém me irá fazer duas ou três perguntas às quais responderei cordialmente para depois voltar para o meu duro afazer de comer o que puder enquanto ouço as conversas super interessantes que se irão formular à mesa.

Não tentarei sequer chegar-me perto da Nintendo Wii por que senão, cheira-me, apenas me cheira, que alguém irá levar uma lapada quando eu começar a mexer no comando e esticar o meu braço para onde não devo. 

Quanto a prendas, acho que este ano não terei ninguém que me ofereça Mon Cherry mas já fui mais fanático do que sou agora. Acho que aguento passar alguma fome durante alguns dias ou duas semanas (que costuma ser a duração de uma caixa de Mon Cherry visto ser eu o único que come esta delícia aqui em casa). 

Ainda sobre as prendas, nestes últimos dias (contando com o dia de hoje) ganhei duas prendas, uma epoteticamente falando, a outra fisica. Comecemos pela física que chegou hoje:


Ganhei-o num concurso promovido pela Universal Music e pelo site MyWay (brigado Rui pela divulgação) em que nos perguntavam:

"Onde levarias a Shakira a passear em Paris?"

Minha resposta: "Levava-a a toda o lado menos ao Louvre, uma obra de arte como ela decerto ficaria retida mal entrasse no museu."

Piroso, azeiteiro, que se lixe, um dos prémios é meu, mai nada, lol

Chegou hoje e passei parte da tarde a ver o concerto, gosh a senhora dá uma p`ta de um espectáculo, eu sempre lhe achei piada e quero vê-la ao vivo o que não deve ser difícil visto estar sempre cá metida, aliás nem sei como ainda não a confirmaram para o próximo RIR. Fiquei nostálgico e pus-me a ouvir o antigo material dela. Fijacion Oral e Oral Fixaction no topo :)

A segunda prenda de prenda tem muito pouco é mais uma piada, adoro quando as pessoas conversam connosco até nos verem e quando nos vêm ficam subitamente mudas. É isso e começar a falar de amizades quando as perguntas envolvem orgãos sexuais e frequências de masturbação. É por isso que eu sou muito antiquado nalgumas coisas meu Deus...

E acho que é só, isso e não me tentar matar a mim ou a alguém durante os poucos dias que restam de 2011.



Nicole Scherzinger - The Phantom Of The Opera [Video]


Apesar de me ter surpreendido, durante a maioria da música nada mais não fez do que engrossar a voz a fim de lhe dar uma estabilidade que a meu ver não tem. Mas gostei dos agudos finais.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A Ver:



Por que é que em todas as histórias do género as coisas acontecem todas por que alguém foi para uma casa de campo ou uma casa isolada ou uma vila isolada ou por que alguém morreu lá dentro ou por que a mulher morreu ou por que precisa de inspiração ou por que sente um chamamento do passado? Por que é que em cada sítio desses há uma gaja boa que se atira ao protagonista? 
A sério graças a Deus que só tem dois episódios, no primeiro a personagem do Pierce Brosnan bateu o recorde de dizer mais vezes a mesma coisa:

"Uma para sim, duas para não"

Who's paying to see this crap anyway?

Do Encontro


Se existe coisa que prezo numa pessoa é a comunicabilidade da mesma. Não peço que seja nenhum apresentador de programas da manhã que tenha de falar sobre tudo e sobre nada, mas que pelo menos tenha um tema de conversa coerente e, se não o tiver que se interesse por ouvir e que mostre que tal não é feito como uma espécie de obrigação para se ter algo mais do que isso (diga-se sexo).
Quando aparece alguém no meu caminho que consegue ouvir-me e fazer-se ouvir por três horas consecutivas, é um misto de alegria e pena que me preenche.
Alegria por encontrar no meio de tanta estrumeira, por durante três horas não estar a falar com um corpo mas sim com uma pessoa, uma pessoa real que existe para além de uma cama, de uma noite, de umas horas de prazer. Quando digo que sou conquistado pelo intelecto deixando para trás o físico não deixa de ser verdade. O físico foi o menos daquela tarde.
Não digo que ao primeiro contacto não tenha pensado imediatamente que "não, não faz o meu género" mas tentei ao máximo afugentar esse pensamento da minha mente. Quando não se nasce especialmente favorecido pela beleza não se pode esperar que venha alguma espécie de modelo fotográfico cruzar o nosso caminho de forma propositada. Aliás se toda a gente pensase que merecia uma espécie de príncipe eu seria a última escolha visto não ter um dote nem uma beleza fora do vulgar, acho que seria um bom exemplo para aquela anedota:

"era uma princesa tão feia tão feia que quem casava com ela não recebia um dote, recebia uma indeminização."

Quem casar comigo decerto merece receber uma também. Paga por quem? Não sei.

O meu lado práctico queria ficar com ele. Sim, poupava-me muito tempo de procura. Mas a que preço? À custa da felicidade de duas pessoas? Os gestos de que falou não são de alguém que pense levianamente sobre as relações que se estabelecem entre duas pessoas. Se alguém se dispusesse a fazer o mesmo por mim sentir-me-ia decerto como uma espécie de mundo para alguém quando actualmente pareço ser um "ninguém" num mundo que a ninguém pertence.
Uma parte muito inocente de mim há uns tempos faria de tudo para ter alguém fosse qual fosse o sentimento nutrido pela pessoa em questão. Hoje feliz ou infelizmente não me consigo resignar na busca de afecto, não consigo ser comodista, ficar com a primeira pessoa que apareca.

Dei por mim a querer prolongar uma despedida que deveria querer rápida e indolor. E foi-o deveras, não soube a nada. Ainda bem. Se fosse um sabor sentido apenas por um dos lados. Não se combina nada, não se diz nada, simplesmente espera-se que o sentimento de uma tarde bem passada tenha sido reciproco.

E, espera-se que, enquanto não aparece ninguém para preencher o coração, possa existir sempre alguém para preencher a cabeça de coisas que façam rir ao invés daquelas que nos últimos tempos só têm dado para chorar.

sábado, 17 de dezembro de 2011

A Downfall Symphony

I've written a downfall symphony
For us to hear when we both get old
Maybe time declare us separate ways
Or maybe just maybe find us happy, wise and bold

Maybe it's not worth to write it today
Because you don't seem to care
Maybe i've failed you in some way
Or gave you a cross that was too heavy for you to bear

Tried to make a song
That looked like it has been taken from a film score
But who can write a simples verse
With words that don't rime anymore?

Tried to find someone
To sing my song properly
But no one can sing my words from the heart
Once they weren't written honestly

Mais Compras


Na Piranha consegue-se esta maravilha por menos de dez euros, oh eu pedi....
ps: fuck FNAC que vende pelo dobro do preço

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O Que Dizer Na Ausência

Numa rede social começada por "face" e acabada em "book" circula uma imagem em que diz, não exactamente por estas palavras:

"quanto alguém diz que sentiu a tua falta diz: "nossa, ao tempo que não te via"
se essa pessoa realmente sentisse a tua falta ela faria tudo para não perder o contacto"

Passa a ser esta a minha política em relação a muita coisa na vida. Hoje em dia as pessoas só não falam por que não querem e inventar desculpas para tal é estar a tentar tapar o sol com a peneira.

Diana Vickers Lança Nova Música - Kiss Of A Bullet


AMEI!

Brandon Flowers - Only The Young [Video]

Quote

Would you face me

Make me listen to the truth even if it breaks me
You can judge me, love me
If you're hating me
Do it honestly

Kelly Clarkson - "Honestly"

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Ditos Populares

Gosto muito daqueles ditos populares de "o interior é que conta" e "não te contentes com pouco, mereces mais do que isso" pois sempre os dizemos aos outros mas nunca os aplicámos a nós mesmos.
Seria bom dizer que "sim, para mim o interior é o cerne de todo o meu interesse" mas, se assim fosse o Shrek estaria casado comigo e não com a Fiona.
Seria bom também dizer que "sim, não me contentarei com pouco, com a primeira coisa que aparecer" quando na verdade o que apetece dizer é "que se danem as outras, eu quero aquela pessoa nem que para isso tenha de dar uma nega a mio mundo".

Se eu fosse um cidadão exemplar que seguisse os ditos acima transcritos decerto seria um exemplo a seguir.
Mas sou somente mais um pseudo intelectual que gosta de dizer o que é politicamente correcto para parecer bem na fotografia.


Kelly Clarkson - What Doesn't Kill You [Stronger] [Video]

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Amar A Ideia

"I wonder
Do I love you or the thought of you?"

Nightwish - "Slow, Love, Slow"


Esta é a questão com que me debato de quando em vez, acho que é universal, para uns mais, para outros menos, mas de certa forma toda a gente acaba num momento da sua vida por amar aquilo que quer e não aquilo que tem.
A distância potencia este tipo de pensamento, esta idealização que quase sempre (ou seja sempre) corre mal.
Acho que levei o meu interesse pelo intelecto das pessoas ao extremo, de pensar somente no ser imaterial que idealizo e pelo qual me interesso acima de outros seres fisicamente mais próximos de mim. E curiosamente (ou puramente por teimosia ou comodismo) quem aparece está sempre aquém daquilo que temos idealizado como sendo o ser com quem tencionámos passar o resto da vida, quiçá mais. Cria-se uma espécie de tratado de amizade Reino Unido - Portugal, aquela espécie de tratado que se quer como o mais antigo mas que nem sempre preza pela sua viabilidade.
O interesse pelo intelecto é tanto que a pessoa por trás dele simplesmente desaparece e quando finalmente ocorre a união dos dois na minha cabeça o único pensamento que consigo cogitar é este:
"Amo-te a ti ou à ideia que de ti tenho?"





História Sumária Das Últimas Horas:

1) Ganhei um DVD da Shakira (fuck off haters, a Shakira é das poucas cantoras ditas normais que tem algum talento).
2) Caí de amores pela voz do Brandon Flowers
3) Pensei que tinha teste e não tinha, bom ou mau não sei
Passaram-se outras coisas interessantes, mas ficam para outros posts quiçá.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Perguntas #4

Nome? Rui

É fácil gostar de ti? É como toda a gente, deve ser tão fácil gostar de mim como odiar-me. Acredito que dou razões para cada uma delas.

Quais são os sons da tua infância? Nenhum em particular, sei lá, as galinhas e os passarinhos de manhã.

O que mais marcou a tua infância? Muitas coisas, nem todas elas boas.

O que mais gostas em ti? Das minhas mãos. Posso não as saber usar, mas gosto, são esguias.

O que menos gostas em ti? Muita coisa, nunca mais saia daqui.

O que és hoje já nasceu contigo? Obivamente que não, nasci muito inocente, hoje em dia tenho a mente muito poluída.

Já desististe de algum sonho? Já desisti de muita coisa na minha vida, mas continuo a sonhar e quem sabe posso realizar muitos sonhos ainda.

Gostas de te ouvir? Não, tenho uma voz parola.

O melhor de ti está visível? Isso depende do que as pessoas consideram ser o meu melhor.

Não gostas de? Muita coisa...

Olá ou Adeus? Olá a todos aqueles que podem valem a pena, Adeus a todos aqueles que não valeram a pena.

Heroís ou vilões? O que seria do herói se não tivesse um bom vilão para enfrentar?

Drama ou comédia? Comédia, para drama já basta a vida.

Devagar ou depressa? Depressa, nunca fui de fazer as coisas lentamente.

Traças o teu próprio caminho? De que adianta traça-lo? Deus escreve direito por linhas tortas.

O que aprendeste na vida? Ás vezes penso que não aprendi nada, estou sempre a cair nos mesmos erros.

Arrependes-te de alguma coisa? Se o arrependimento matasse, já estava morto.

Quando apontas o dedo? Não aponto, apontar é feio.

Acreditas no destino? Tipo karma? Opá às vezes sim, mas na generalidade acredito que a gente tem aquilo que merece.

Tentas perceber o outro? Sim, assim como quero que o façam comigo.

Tens um lado pior? Acho que é o meu maior lado.

Quando perdes a razão? Muito raramente, tento sempre ter controlo sob mim mesmo.

Tens saudades de quê? De ser inocente, de não ter preocupações, de me rir com qualquer coisa parva, de ter umas férias sossegadas.

Foges do medo? Fugi e fujo de muitas coisas na minha vida infelizmente. Não o recomendo a ninguém.

Ao longo do caminho tiveste dúvidas? Somente quem tem dúvidas encontra respostas, um caminho em que não se procura nada não vale a pena ser percorrido.

Estás a viver o que queres? Não, mas vivo a minha vida ao invés de viver a vida dos outros ou a que me querem impor.

Tens muitos amigos? Não, poucos, mas bons.

As maiores saudades? As mencionadas em cima.

O que dizem os teus olhos? Devem dizer pouco, estão encobertos pelos óculos.


Tumblr

A par de outros quadradinhos que coloquei do lado direito -» há um novo (não tão novo assim) do TUMBLR:
Não que vá deixar o blog, mas coiso, serve para outras coisas.

É Dia 11 De Dezembro...

... E ainda não ouvi "Last Christmas" dos Wham! ou "All I Want For Christmas Is You" da Mariah Carey uma única vez nas televisões ou na rádio. Cheira-me que vai ser um Natal ligeiramente melhor (pelo menos auditivamente falando).


Podiam fazer uma petição para passarem esta música (e outras) no Natal. São mais engraçadas.

Tarja Turunen & Harus - In Concert Live At Sibelius Hall [Review]


Quando a maioria dos fãs esperava novidades sobre um novo álbum, ou no mínimo um novo single, Tarja anunciou uma nova banda/projecto com o qual iria editar um primeiro álbum, ao vivo. Preguiça, tentativa de inovação, poupança em arrendamento de estúdios, muitas "desculpas" poderiam ser dadas para não ser lançado um álbum de estúdio propriamente dito, mas isso em nada mudaria o cerne das músicas que encontrámos neste "Live At Sibelius Hall".
Neste álbum Tarja para além de cantar algumas músicas inéditas em Finlandês (músicas tradicionais, adaptações de outros temas clássicos) canta também alguns dos temas que já constavam do seu reportório lançados no seu primeiro álbum a solo, "Henkäys Ikuisuudesta".
A interpretação de toda a setlist é, dentro do que Tarja consegue fazer ao vivo, aceitável (diria até acima da média se a compararmos com a sua performance dentro do seu reportório "pesado") mas no entanto vazia. Parece um grande balão que na verdade, se encontra cheio de ar. Continuo a ser da opinião que a cantora se daria lindamente numa carreira crossover tal como Sarah Brightman ou Katherine Jenkins pois num registo puramente clássico torna-se demasiado monótona e demonstra que não tem uma voz que a faça distinguir-se nesse campo, ao contrário do que acontece no cenário metálico. Acima de tudo tem uma voz demasiado impessoal que não me faz despertar mais do que um "OK" resignado após ouvir cada tema do álbum. Parece que o seu único objectivo é interpretá-los sem falhas e fá-lo tão perfeitamente que retira toda e qualquer humanidade presente nos mesmos. Há quem diga que Tarja tem a voz de um anjo. Se com isso querem fazer referência à ausência de sexo dos anjos, sim concordo, a Tarja deste álbum parece um ser vocalmente desprovido de género (e não estou a elogiá-la por isso).
Mas, então e Harus? Quem/ O que são Harus? Harus basicamente parecem uns poucos instrumentistas que dão uma espécie de música de fundo à voz da Finlandesa (orgão, xilofone entre outros). E, quando digo música de fundo, é isso mesmo, em qualquer uma das músicas presentes na tracklist do álbum o instrumental seria facilmente descartável pois nada acrescenta aos temas senão aquele pseudo toque clássico. Curiosamente o único momento do álbum em que realmente parecem realmente uma "banda" é na faixa bónus, "Improvisation Variations Sur Un Noël" onde ganham uma liberdade que se encontrou limitada no restante alinhamento.
Digámos que este projecto se assemelha uns Selena Gomez & The Scene pois o que interessa é a frontwoman, o resto ninguém conhece ou não quer conhecer.
No geral, quem for fã acérrimo da cantora (quer enquanto cantora metal quer como clássica) irá gostar do álbum pois é a Tarja e é preciso gostar de tudo que saí dali.
Para aqueles que, assim como eu, apenas seguem a carreira da cantora por uma mera questão de curiosidade irá achar este álbum puramente uma forma de auto promoção que preferencialmente seria substituído por um single ou um ep com alguns temas novos. Pois por muito que se queira provar o contrário este álbum não representa um projecto. É mais uma forma de auto promoção dispensável. _/10.

sábado, 10 de dezembro de 2011

O Que Eu Procuro [Imagem]


E de repente a Wrii descobriu, sem saber, o que eu procuro... lol

Echoes Of Eternity - Ten Of Swords [Video]


Sempre achei fascinante esta banda fazer músicas inteiras com praticamente um único riff de guitarra. Não, agora a sério, é horrível.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Um Desafio...

Regras: pôr a negrito o que se relacionar comigo.

Sinto falta de alguém agora.
Amo dormir.
Acredito que a honestidade é a melhor política.
Mudei muito mentalmente desde o ano passado.
Sou muito, muito inteligente.
Nunca parti um osso do corpo.
Tenho um segredo que tenho vergonha de revelar.
Amo a chuva.
Queria ter um irmão.
Menti a um bom amigo nos últimos seis meses para não o magoar.
Normalmente sou pessimista.
Tenho oscilações de humor.
Acho que a prostituição deve ser legalizada.
Sou bipolar.
Talvez tenha um talento escondido.
Gosto de falar ao telefone.
Praticamente vivo de camisas e calças de ganga.
Tenho um telemóvel.
Actualmente tenho um fraquinho por alguém.
Sou muito tímido perto do sexo oposto.
Vejo o DisneyChannel.
Tive uma queda por alguém que nunca conheci pessoalmente.
Beijei alguém que sabia que não devia.
Não toco um instrumento musical.
Caio mais rapidamente em “desejo” do que “amor”.
Sou uma pessoa totalmente diferente em torno de pessoas diferentes.
Uma vez roubei um chocolate no supermercado.
Não tenho a capacidade de tomar decisões sem mudar a minha forma de pensar.
Sou mais analítica sobre as pessoas que conheço.
Acredito na perda de tempo.
O meu feriado favorito não é o Natal.
Não sei o que faria sem os meus amigos.
Estou com fome.
Tenho um problema em expressar as coisas.
Sou a pessoa mais necessitada que conheço à face do planeta.
Só vejo televisão quando está alguém no computador.
Sou um pouco louco.
Gosto do cheiro de Tic Tacs laranja.
Apaixono-me com alguma facilidade.
Adoro o cheiro da cola uhu.
Sou muito egoísta.
Sou emo, às vezes
Já copiei num teste.
Estou farto de drama.
Acho que a raça humana está mal e deve ser demolida.
Preciso de um emprego digno porque a escola não o é.
Não importa onde estou ou com quem estou, pareço sempre um solitário.
O meu coração reside abaixo dos meus pés.
Já fingi que estava a estudar.
Não sou burro.
Já me quis matar.
Já tive vontade de mandar alguém para...
Amo ficar apaixonado, mesmo que não seja correspondido.
Tenho nojo de baratas.
Já pensei em fugir de casa.
Os meus conselhos são os piores possíveis.
Não tenho nenhuma ideia do que quero fazer o resto da minha vida.
Odeio alguem neste momento.
Não quero ter filhos no futuro.
Já fiz um teste sem estudar.
Já fingi estar doente para não ir às aulas.
Tenho medo de ficar sozinha no escuro.
Preciso de sentir que gostam de mim.
Por vezes sou paranóico.
Preciso de dinheiro agora.
Amo os meus melhores amigos.
Menti sobre um dos itens desta lista.
Quando era pequena comia papel.

Theatre Of Humiliation

People say, life is a play
Where you can play the role you want
But what if you desire to enter in one
Wich has already began?

Will you play the good, the evil one
Will you bite the apple or sell it for free
What will happen will be in a script
What will happen was already meant to be?

There’s no time for cut, no time for action
Turn back, no one can
But if you could do it, just for a night
Will you do that, over and over again?

Maybe the crowd’s generosity
Grant you this one wish
But who would wish even for once
scratch where’s already a stitch?

The play is done
The courtain fall
The crowd’s doin a standing ovation
Although nobody’s claping his hands
To this theatre of humilliation

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Do Orgulho

Olhando atrás no tempo existem poucas coisas que eu possa dizer que efectivamente mudaram na minha maneira de ser. Não digo que não tenha amadurecido mas simplesmente não dei conta de as coisas que se passaram cá dentro nos últimos anos. A única coisa que posso efectivamente dizer que mudou foi o meu orgulho próprio, algo de que estava pronto a prescindir no passado por mínimo que fosse o motivo.
Lembro-me de há algum tempo ter colocado aqui (espero que não esteja equivocado) uma passagem de um livro chamado "Corações de Pedra" da autora Ruth Rendell onde a certa altura diziam à personagem principal (Elvira) que a sua actual humildade em excesso poderia ser tão ou mais prejudicial como o seu anterior orgulho.
De certa forma eu sinto isso também. Não que as coisas me corressem especialmente bem quando me rebaixava perante as adversidades mas arrisco-me a dizer que era decerto mais feliz.
Sei que o facto de me ter tornado mais forte mentalmente (ou assim o julgo) deveria ser algo de que me deveria orgulhar, mas pelo que tenho observado não tenho ganho muito com isso.
Uma parte de mim deseja sinceramente voltar a ser aquela pessoa que tinha tudo só por que deixava a outra parte ter razão.
A outra continua a recusar-se a ceder perante as pessoas que me fazem pensar que estou errado quando não estou, continua a querer erguer a cabeça de cada vez que as coisas correm mal e acabo abandonando algo ou alguém que em tempos (incluindo o presente) me foi querido e essencial.
Chamem-me agora insensível, digam que o orgulho é uma forma de me proteger de ser magoado, mas agora é algo do qual não me sinto apto para abdicar por algo ou alguém.
Quero acreditar que as coisas más que acontecem na vida, somente acontecem para sabermos dar mais valor às boas. As coisas más estão a acontecer e estou a vivê-las mesmo não o desejando. Por isso, quando for possível, agradeço que venha algo bom, para variar.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

A Ver:


Porque ultimamente a realidade tem sido tudo menos um conto de fadas decidi refugiar-me num conto de fadas também ele invertido.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Brandon Flowers - Playing With Fire [Tradução]


Acho ASSUSTADOR quando ouço uma música e me identifico com cada palavra que é dita...
Esta é oficialmente a música que descreve a minha vida.


Pai, não irei dizer-te que estou arrependido
Mas não há nada que possas fazer para eu mudar de ideias

Não estou aqui para saber as coisas que não posso fazer

Temos visto o resultado para aqueles rapazes que não voaram
Aquela estrada lá fora que tu sempre trouxeste para casa
Essa será a estrada que tomarei quando partir.

Aquelas veias de carvão que têm juntas esta terra escolhida
Elas podem torcer-se e retomar mas em algum lugar profundo, há um coração

A brincar com o fogo,
Sabes que irás magoar alguém esta noite
Estás fora da linha
Sabes que estás a brincar com o fogo

Talvez o seu chamamento seja o canal da invenção
Não me envergonharei se outros o virem como um crime

Mesmo que a estrada seja perigosa, mesmo que seja distante,
Tais coisas não irão comprometer o desejo do criador
Dez mil demónios martelam a cada passo
Dez mil anjos apressam o vento contra as minhas costas
Esta minha igreja pode não ser reconhecida pelo campanário
Mas isso não quer dizer que caminharei sem um Deus

Corrente Rio da Verdade, podes ceder-me um pequeno gole?
A sagrada fonte da juventude foi reduzida a um gotejar
Tenho uma convicção ardente na salvação e no amor
Esta ideia pode não me salvar mas, quando a energia vier para me impulsionar,
Eu irei até esta terra

Sabes que irás magoar alguém esta noite

Eu posso não chegar lá
Esta pequena cidade, esta pequena casa,
Parecem estar inclinadas na direcção errada,
Não mais tenho medo de ti

A brincar com o fogo,
Sabes que irás magoar alguém esta noite
Estás fora da linha
Sabes que estás a brincar com o fogo

Coldplay - Paradise [Video]


Preciso urgentemente de parar de sonhar com o Paraíso e dirigir-me para lá, para ao menos esquecer este Inferno.

Play With Fire


Just because playin' with fire is fun, till we get burn... till then, let's play

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011